Desenvolvimento e Saúde é o que você precisa para melhorar suas condições pessoais e realizar suas metas e seus sonhos com saúde e felicidade. Mas o que significa desenvolvimento e saúde? E que benefícios você pode obter mudando a maneira de pensar e agir sobre a sua vida?

Neste texto você vai compreender porque é importante desenvolver recursos emocionais para conduzir a sua própria vida de modo natural e saudável.

Desenvolvimento

Desenvolvimento é um processo biológico pelo qual passa qualquer ser vivo e se realiza nas etapas: concepção, nascimento, crescimento, reprodução e morte, obedecendo a leis da natureza que atuam em nosso corpo, nas diversas faixas etárias.

Por outro lado, desenvolvimento é, também, um processo cultural pelo qual passam somente os seres humanos. O homem interfere a cada minuto no seu processo de desenvolvimento, alterando, modificando, melhorando ou prejudicando sua própria qualidade de vida. Desenvolvimento cultural é, portanto, resultado dos infinitos desdobramentos em consequência da ação humana. Quando se fala em melhoria de saúde, a primeira coisa que vem à mente é a tecnologia com seu enorme potencial de transformar a maneira como lidamos com a doença até hoje. As inovações se multiplicam em todas as especialidades e surgem novas possibilidades em diagnóstico, tratamento ou prevenção de doenças. Isso é desenvolvimento!

 Saúde

A Organização Mundial de Saúde – OMS, declara que a “saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consiste apenas na ausência de doença ou de enfermidade”.

Isso quer dizer que a conquista de estados de saúde cada vez mais otimizados não depende apenas de saber como lidar com as doenças, às quais, como seres vivos, estamos expostos; mas, antes de tudo, da capacidade de construir e cuidar das condições ambientais, mentais e sociais que produzem, mantém e preservam o bem-estar. Isso revela uma forte contradição e nos obriga a refletir sobre os motivos de termos tanto desenvolvimento cultural no campo da tecnologia e de métodos de tratamento, alcançando maior longevidade, mas continuamos a sofrer com baixa qualidade de vida e até mesmo com novas causas de mortalidade.

Doenças da vida moderna

As doenças não transmissíveis (cardiovasculares, como isquêmicas e hipertensão; crônico-degenerativas, como câncer e diabetes e os transtornos de natureza mental) são enfermidades resultantes de hábitos, comportamentos e estilos de vida inadequados e nocivos à saúde. Elas são responsáveis, todos os anos, por 70% das mortes entre pessoas com 30 a 70 anos.

O seu impacto vai muito além da mortalidade e dos anos de vida perdidos, pois são responsáveis por custos econômicos significativos e por prejuízos na qualidade de vida, sendo a principal causa de incapacidade, da redução da atividade laboral e da produtividade.

O chamado “estilo de vida moderno”, a que todos estão sujeitos, é o grande fator de risco à saúde. Os hábitos alimentares inadequados, o sedentarismo e o tabagismo compõem as principais causas para o desenvolvimento das doenças crônicas não transmissíveis.

Saúde emocional

Hoje temos consciência que o ser humano é capaz de interferir em seu processo de desenvolvimento, de modo a melhorar ou prejudicar sua própria qualidade de vida e que a principal arma que temos contra as doenças não transmissíveis é a prática de um estilo de vida saudável. Sabemos também que um dos fatores que influenciam como as pessoas sobrevivem, se adaptam e superam as mais penosas experiências de estresse de vida é a saúde emocional positiva e que o equilíbrio na gestão das emoções é uma competência passível de ser desenvolvida.

Conclusões

Tudo isso nos leva a entender o quanto é urgente completar o desenvolvimento humano naquilo que lhe falta para ser integral, especialmente, no âmbito das suas emoções, aquelas competências socioemocionais necessárias para lidar com a vida de forma mais positiva e tornar o ser humano mais resiliente e feliz.

É bom lembrar que estas competências podem ser desenvolvidas em qualquer momento da vida: seja pela educação da criança, pela autoeducação do adulto ou pela reeducação do idoso. O importante é produzir novos olhares e novas formas de lidar com a vida, onde a criação e a manutenção das próprias condições de enfrentamento da realidade produzam o que lhe é necessário para ser a pessoa que você sonha ser. Isso é desenvolvimento e é saúde!